Ceará Corrupção

Testemunhas do caso ‘dólares na cueca’ não comparecem à Justiça

Ivo Gomes, Chefe de gabinete do govenador do Ceará, Cid Gomes, foi citado como testemunha de Guimarães mas não compareceu ao depoimento

Alguns dos nomes escolhidos como testemunhas de defesa pelo deputado José Nobre Guimarães (PT), um dos envolvidos no escândalo conhecido como caso dos “dólares na cueca”, não compareceram para prestar depoimento nesta quarta-feira (7) à Justiça Federal. Um deles é o secretário Ivo Gomes (PSB) chefe de gabinete e irmão do governador Cid Gomes (PSB).

Leia ainda:
Ivo Gomes é testemunha de Guimarães no caso dos “dólares na cueca”

Sem obrigação
Segundo a assessoria de imprensa da Justiça Federal, as testemunhas não foram intimadas porque teriam sido escolhidas pelos réus. Com isso, não tinham obrigação de comparecer. Entre as testemunhas listadas que compareceram, estão o ex-presidente estadual do PT, Joaquim Cartaxo, Francisco de Assis Diniz e Henrique Jorge Tinoco de Aguiar.

O Caso
O caso dos dólares na cueca estourou em 2005 com a prisão do então assessor de José Guimarães na Assembléia Legislativa, José Adalberto Vieira da Silva, ao tentar embarcar de São Paulo para Fortaleza com R$209 mil reais e 100 mil dólares presos à roupa íntima. O escândalo chegou a derrubar da presidência do PT José Genoíno, irmão do deputado José Guimarães.

Depoimentos
A Justiça Federal iniciou na segunda-feira (5) o depoimento dos réus. O primeiro a ser ouvido foi o ex-assessor especial da presidência do Banco do Nordeste, Kennedy Moura Ramos. Foi para ele a primeira pessoa para quem José Adalberto ligou ao ser preso. Kennedy é suspeito de ter facilitado a liberação de um empréstimo do Sistema de Transmissão do Nordeste (STN) junto ao Banco e seria o destinatário de parte do dinheiro apreendido.

O deputado José Nobre Guimarães também será ouvido por carta precatória em Brasília. Mas por ter fôro privilegiado, tem prerrogativa de escolher local e data, ainda não definida.

José Adalberto e a mulher, Raimunda Lúcia Pessoa de Lima, também deveriam ter sido ouvidos na segunda. Eles moram em Aracati, litoral Leste do Ceará, e chegaram a vir a Fortaleza. O advogado de defesa do casal, Alexandre Sinigália, que veio de São Paulo, solicitou à Justiça o direito de ambos serem ouvidos por meio de carta precatória em Aracati.

Leia mais:
Envolvidos no caso dos “dólares na cueca” são ouvidos pela Justiça Federal

Ivo Gomes
A juíza Débora Aguiar da Silva Santos, responsável pela 10º Vara da Secção Judiciária do Ceará decidiu que o Deputado Estadual licenciado, Ivo Ferreira Gomes (PSB), que foi citado como testemunha do réu Guimarães, será intimidado, por mandado e com urgência, para que no prazo de cinco dias defina data, horário e local para ser ouvido. A justiça solicitou que a data indicada esteja entre dez a 30 dias após o prazo referido.

Veja também:
Depoimento das testemunhas no caso ‘dólares na cueca’ pode não acontecer 
Depoimentos do caso dos “dólares na cueca” são cancelados 
Envolvidos no caso dos “dólares na cueca” são ouvidos pela Justiça Federal


Curtir: