Ceará Greve

“Trazer a Força Nacional não significa ter tranquilidade”, afirma o presidente da OAB/CE

Presidente da OAB-CE, advogado Valdetário Mota

“Trazer a Força Nacional não significa ter tranquilidade”. A declaração é do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/CE), Valdetário Monteiro. Durante entrevista exclusiva à Jangadeiro FM, na tarde desta terça-feira (3), Valdetário ainda completou afirmando que “tranquilidade é a volta dos PMs ao trabalho”.

Segundo o presidente da entidade, a OAB tem participado como mediadora a fim de tentar negociar com a partes envolvidas. Valdetário Monteiro disse ainda que o movimento poderia ter sido evitado.

Negociações
Na noite desta segunda-feira (2), foi feita uma agenda mínima de negociações, que contém reivindicações como anistia geral para os PMs que participam da paralisação, melhor infraestrutura de trabalho, reajuste de vale-refeição, dentre outros pontos.

As reivindicações já foram enviadas ao governador Cid Gomes (PSB). De acordo com Valdetário Monteiro, Cid Gomes entregou uma contra proposta e aguarda retorno dos policiais.

Nota da OAB
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção Ceará, emitiu uma nota pedindo o retorno das negociações entre o Governo do Estado e o comando de greve dos policiais e bombeiros militares, nesta terça-feira (3). A Ordem também solicita uma reunião entre a Procuradora Geral de Justiça, Socorro França; o presidente da OAB-CE, Valdetário Monteiro; o presidente da Procuradoria Geral do Estado, Fernando Oliveira; e o presidente da Aprospec, capitão Wagner Sousa.

Cuidados
Valdetário Monteiro solicitou que a população tenha cuidado ao sair às ruas. O fechamento do comércio, das escolas, os arrastões e assaltos “tendem a se multiplicar”. E finalizou “Se calcularmos o prejuízo, o custo será muito maior. O objetivo agora é sensibilizar o Governo do Estado e as partes envolvidas para negociar”.

Leia mais:
Comandante da Operação do Exército não descarta confronto com policiais grevistas
Postos de saúde também recebem ordem para fechar por conta da insegurança
Escolas municipais de Fortaleza fecham as portas por conta da insegurança

Redação Jangadeiro Online, com informações do presidente da OAB/CE