Em Brasília

Troca de líderes no Congresso amplia crise na base de Dilma

Congresso Nacional em Brasília. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

A troca da liderança do governo no Congresso não pôs fim aos atritos na base da presidente Dilma Rousseff. O PMDB entendeu a mudança dos lideres, herdados do governo Lula, como uma operação contra o partido.

Senado
No Senado, ao substituir Romero Jucá (PMDB-RR) pelo correligionário Eduardo Braga (AM), Dilma criou uma interlocução paralela com as descontentes sem passar pelo senador José Sarney (AP) e pelo líder peemedebista Renan Calheiros (AL).

Câmara
Na Câmara, a presidente escalou Arlindo Chinaglia (PT-SP), que é concorrente do líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), na disputa pela presidência da Casa. Embora tenha dito que respeitará o rodízio com o PMDB no cargo, Dilma não convenceu os partidários de Alves.

Veja em:
Deputado desafia Dilma e diz que PMDB não perderá cargo no Dnoc. Ou o Brasil virou República das bananas?   

Dilma não aceita ameaças do PMDB e tira diretor do Dnocs 

Veja aqui a entrevista do deputado federal Danilo Fortes:
PMDB afirma viver “encruzilhada” com PT

Peemedebistas dizem que uma eventual sinalização de que Chinaglia tentará a presidência da Câmara será vista como uma “declaração de guerra”.

Com informações do Estadão.com