ALEC Greve

Policiais civis são impedidos de entrar na Assembleia Legislativa

Um grupo de policiais civis em greve foi impedido de entrar no plenário da Assembleia Legislativa na tarde desta quarta-feira (7). Eles queriam discutir as exigências da categoria com o Governador Cid Gomes. Os servidores estão em greve desde o dia 15 de outubro.

“O governador tem dinheiro para carros caros e prédios caros, mas não investe no ser humano”, afirmou Inês Romero, presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Ceará (Sinpoci). “Eu faço um apelo para que o Governador receba a categoria para debater”, completou Inês.

Reivindicações
As reivindicações incluem a contratação de novos policiais aprovados em concurso público, o pagamento de 60% do salário de delegado para os demais agentes e a dispensa de curso superior para promoção na carreira.

Greve
A paralisação dos inspetores e escrivães havia começado em julho e foi suspensa em agosto. Haveria um acordo com o Governo, mas as negociações não evoluíram e os policiais retomaram o movimento. Na época, a greve foi decretada ilegal pela Justiça. Nesta segunda paralisação do ano, a decisão foi tomada em assembleia da categoria no Sinpoci.

Com a greve, o Sinpoci tem elaborado um plano operacional em que relaciona as delegacias que funcionarão em regime de plantão (24 horas) e as que estarão abertas no horário do expediente (das 8h às 18 horas).

Leia mais:
Assembleia geral discute rumos da greve dos Policiais Civis nesta quinta
Policiais civis em greve protestam na Assembleia Legislativa


Da Redação do Jangadeiro Online