Câmara Municipal

Vereadores debatem mapeamento de áreas verdes de Fortaleza

Vereador Deodato Ramalho (PT) é o propositor da audiência pública. Foto: Genilson de Lima/CMFor
Vereador Deodato Ramalho (PT) é o propositor da audiência pública. Foto: Genilson de Lima/CMFor

A Câmara Municipal de Fortaleza realiza nesta terça-feira, dia 26 de março, uma audiência pública com a finalidade de apresentar o Mapeamento das Áreas Verdes de Fortaleza. O estudo foi realizado, em 2012, pelo Laboratório de Geoprocessamento da Universidade Estadual do Ceará. O evento, proposto pelo vereador Deodato Ramalho (PT), ocorre no auditório Ademar Arruda, a partir de 14h.

Semana da árvore
De acordo com o requerimento, a audiência é proposta por ocasião da comemoração da Semana da Árvore no Norte e Nordeste. O mapeamento que será apresentado foi coordenado pela professora Maria Lúcia Brito da Cruz, a pedido da então Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano (Semam), em atendimento à demanda do Fórum da Agenda 21 de Fortaleza.

“Mais do que um simples inventário quantitativo, o Mapeamento se constitui num poderoso instrumento de gestão do Poder Público, pois seus dados se encontram georreferenciados por Regional administrativa de Fortaleza, o que apresenta um nível de detalhamento formidável para a realização do planejamento urbano integrado. Além disso, constam dados detalhados da flora, da biodiversidade e dos sistemas ambientais presentes no meio urbano e natural remanescente na capital”, diz Deodato.

Informações
Ainda segundo o parlamentar, “o mapeamento contém levantamentos de dados imprescindíveis para elaboração e implementação da gestão compartilhada das áreas verdes públicas, da recuperação das áreas verdes degradadas, do Sistema Municipal de Áreas Verdes e do Plano Municipal de Arborização de Fortaleza”.

Proteção
Para Deodato, os dados desmentem versões disseminadas no que dizem respeito a redução da cobertura vegetal da cidade. O vereador ressalta que “a população de Fortaleza tem reagido à destruição ambiental, principalmente por meio do aterramento de mananciais e do desmatamento indiscriminado, e contribuído decisivamente para a preservação das áreas remanescentes com vegetação nativa”.

Sustentabilidade
Porém, o parlamentar destaca que tais ações, isoladamente, não têm sido suficientes para deter as consequências das mudanças climáticas. Por esta razão, considera importante dar conhecimento desta iniciativa em data significativa para as lutas ambientais. Além disso, ressalta que o Mapeamento realizado pode articular as políticas públicas na área, realizando o seu propósito maior que é contribuir para a sustentabilidade de Fortaleza.

Com informações da CMFor


Curtir: